Problemas do meio para trás

Até metade do primeiro tempo, o Grêmio foi uma equipe lenta. Olhando o jogo, era clara a impressão de que os jogadores estavam ali de má vontade. Veio a parada técnica e o time voltou completamente diferente. Deu mais velocidade ao jogo, e chegou rapidamente ao 1 a 0. Depois disso, criou algumas chances de gol e poderia até ter feito o segundo antes do término da primeira etapa.

Veio o segundo tempo e o Tricolor voltou da mesma forma. Com o ataque se movimentando bem, o Grêmio foi para cima e fez o segundo. Porém, logo em seguida o Cruzeiro descontou e ficou vivo na partida. A entrada de Collaço mais uma vez deu equilíbrio ao time. Feito o 3 a 1, a zaga tricolor falhou novamente e tomou o segundo gol. Jogo em aberto novamente. A tranquilidade só veio quando Viçosa, em grande jogada individual, sofreu o pênalti que pôs números finais a partida.

Algumas coisas ficaram claras depois dessas duas últimas partidas do Grêmio. Carlos Alberto não pode jogar na função de Lúcio. Ele não consegue ajudar na marcação e acaba jogando longe do ataque. Creio que ele disputa posição com Douglas ou no ataque. Fato é que com Lúcio, ou até mesmo com Collaço, a equipe fica bem melhor taticamente. Só com Adilson e Rochemback na marcação não dá. Collaço novamente entrou bem. Chegou várias vezes a linha de fundo e ajudou na marcação, exatamente como Lúcio.

***

Borges vai aos poucos retomando as boas atuações. Bom ver o camisa 9 jogando bem novamente. Outro que teve uma ótima atuação foi Gabriel, que é um excepcional apoiador. Escudero entrou e teve uma boa participação. Está na hora de colocar o argentino mais tempo em campo.

***

Preocupa a torcida tricolor as falhas repetidas do sistema defensivo. Principalmente a bola aérea. Num jogo decisivo como de ontem, é inadmissível falhar daquele jeito. A cobertura dos laterias também é fraca em algumas oportunidades. Além disso, Gabriel e Gilson não são lá grandes marcadores, o que acaba sobrecarregando a zaga e os volantes.

Renato deve dar mais atenção para a parte defensiva da equipe, do meio para frente o Grêmio está bem.

*para canelada

Anúncios

Sem pesadelos

A nação gremista foi dormir, já na madrugada de hoje, decepcionada. Depois da bela atuação da equipe no Gauchão, a torcida esperava mais do Tricolor.

O gol antes dos cinco minutos de jogo daria a chance para o Grêmio jogar no contra-ataque. Porém, o time não conseguiu ficar com a posse de bola, marcou mal e deu campo para o time colombiano.

O empate foi inevitável. A troca de Carlos Alberto por Collaço arrumou a casa. Tanto que no segundo tempo o Tricolor mandou no jogo, entretanto, faltou profundidade no ataque. O Grêmio não conseguiu finalizar e acabou sendo castigado.

***

Lúcio fez muita falta. Em primeiro lugar porque marca bem, e principalmente porque dá velocidade ao meio campo gremista. Inúmeras vezes o Grêmio poderia ter saído em velocidade para pegar a defesa aberta, mas faltou um jogador para fazer isso. Lúcio é mais titular do que nunca.

***

Um crime aquela bola do Rodolfo não ter entrado. O zagueiro jogou bem, já Paulão, ficou devendo um pouco. O sistema defensivo apresentou algumas falhas. É preciso corrigi-las o quanto antes. Acho que vai acabar sobrando para o Paulão….

***

André Lima e Borges ficaram muito colados no comando do ataque. Faltou movimentação, coisa que sobrou na partida do Gauchão. Fica clara a falta que um homem de movimentação faz ao ataque tricolor. Quem sabe Escudero possa ser esse jogador.

***

O Grêmio fez uma partida mediana. Ficaria preocupado se o Tricolor tivesse jogado mal. No segundo tempo apareceu a qualidade, mas faltou caprichar no arremate. É necessário arrumar os detalhes e chamar a atenção para que a apatia do primeiro tempo não se repita.

Portanto, nada de terra arrasada.

 

*para canelada

Melhor é não pensar

Pensar demais às vezes é um problema. Principalmente quando se trata de pensamentos sobre relacionamentos.

Dizem que o segredo da vida é viver um dia de cada vez. Tudo bem, a felicidade até pode ser preenchida dentro do espaço de 24 horas, mas como não pensar no dia seguinte?

Projetar situações e imaginar como será/seria o relacionamento com alguém faz parte das ansiedades do ser humano. O problema de quem pensa demais são as decepções. Outro detalhe é querer que tudo aconteça “agora”, quando a lei da vida ensina que tudo acontece ao seu tempo.

Não creio que pensar demais e querer tudo para ontem seja um defeito, mas que às vezes nos faz mal, faz.

No caminho certo

O gol logo no início da partida deixou o Tricolor tranquilo. Sob forte calor, seria natural que o Grêmio passasse a administrar a partida. Porém, fez o contrário. Fazendo a melhor atuação da temporada, o Tricolor foi para cima, fez cinco ao natural e aproveitou o jogo para se preparar para a partida de quinta-feira pela Libertadores.

O primeiro tempo foi realmente muito bom. O Grêmio jogou fácil. Teve toque de bola, tabela, avanço dos laterais, enfim, tudo o que um time de futebol deve fazer para vencer. André Lima e Borges aos poucos vão se entrosando no ataque. Rochemback e Lúcio estão mandando no meio campo.

A novidade, o garoto Leandro, pegou pouco na bola. Deu dois chutes no gol adversário: um pegou na trave e outro foi para as redes. Bela estreia. Méritos para Renato, que colocou o jovem quando o jogo já estava morto, como manda o figurino.

Vitória fácil e uma ótima atuação. Vai bem o Grêmio.

***

Acho acertada a estratégia tricolor de usar os reservas nos jogos do interior e os titulares quando a partida é em Porto Alegre. Futebol é continuidade. A partida de ontem lembrou o excelente Grêmio da reta final do Brasileirão 2010. Aos poucos, o Grêmio de 2011 pode superar o de 2010, qualidade para isso o plantel tem.

Renato está provando a cada dia que é um excelente treinador. Basta ver o Tricolor jogando. O time está sempre bem postado em campo e cada jogador sabe exatamente o que tem que fazer.

***

Resta a dúvida sobre qual time Portaluppi levará a campo na quinta-feira. Penso que o melhor esquema é com dois volantes. Seja em qual formação for, o Tricolor tem que ir para cima e voltar com os três pontos.

Esse aspecto de ir para cima e buscar a vitória é um grande mérito de Renato. Rara foram às vezes em que ele montou um time na defesa. Ambição é necessária sempre.

 

*para canelada


Estreia promissora

Analisando o resultado, o teste de Renato deu certo. Jogando só com um volante, o Tricolor criou várias situações de gol e mereceu vencer com folga. Porém, em alguns momentos, como no primeiro tempo, o Grêmio encontrou algumas dificuldades para fazer fluir o jogo. Principalmente para sair de trás com a posse de bola. Isso porque Rochemback era o único que vinha buscar a bola no campo de defesa. No segundo tempo, Portaluppi corrigiu esse problema e o Imortal venceu com facilidade.

Creio que o esquema com dois volantes será usado na próxima partida, até porque é fora de casa, mas foi válido testar esse esquema “faceiro” na estreia.

***

Grande partida de Gilson, a melhor atuação que o lateral fez com a camisa do Grêmio.

Douglas oscila muito durante as partidas. É capaz de errar três passes em sequência e no quarto fazer uma jogada de gênio. Ele é assim, não adianta. Mesmo assim ele faz a diferença. Fez dois gols e pifou Borges em pelo menos uma oportunidade.

***

Importante foram os três pontos e a estreia vitoriosa. Agora, é ir com ambição para o jogo na Colômbia e voltar com os três pontos, para encaminhar de maneira tranquila a classificação.

Antes disso, tem as quartas-de-finais do Gauchão. Time titular deve ir para o jogo. Acho certa a estratégia Tricolor. Seria ótimo vencer o primeiro turno do ruralito para focar na Libertadores. Vai bem o Grêmio. Aos poucos, o time vai entrando em forma e se encontrando dentro das quatro linhas.

O futuro é promissor. 

*para canelada

Existe vida offline

Esses dias tuitei: “Hoje em dia tu fica dois dias sem entrar no MSN ou tuitar e as pessoas acham que tu morreu. Existe vida offline, pessoal!”.

Escrevi isso porque fiquei sem dar as caras na internet durante o final de semana. Quando entrei no MSN na segunda-feira, vários amigos começaram a me peguntar por que eu sumi (?).

Tudo bem que fizemos parte de uma geração online, mas às vezes é bom esquecer um pouco esse mundo. Da mesma forma fico me perguntando qual a necessidade de se colocar tudo na rede, como por exemplo onde estamos. Claro que as plataformas móveis permitem que se faça o uso de várias ferramentas, mas não faz bem viver um pouco offline de vez em quando? Ou utilizar toda essa tecnologia de maneira mais moderada?

Respeito quem tuita sem parar, quem atualiza o Facebook a todo momento, mas eu nunca abrirei mão de viver algumas horas como se não existisse um mundo paralelo e conectável.