A valorização de Roger

O nome de Roger Machado já havia povoado as manchetes do centro do país quando fora sondado para treinar o São Paulo. Nesta quinta-feira, a notícia de que o Corinthians procurou o nosso treinador foi a pauta de todo torcedor gremista que acompanhou a imprensa.

As manchetes também diziam que o time paulista recebeu um não de Roger, que permanece na Arena. E aqui vai uma informação: o técnico não pediu um centavo de aumento, o que seria até natural diante do interesse corintiano.

O fato do atual campeão brasileiro querer nosso treinador precisa ser entendido por diversas maneiras pelos dirigentes e torcedores gremistas. Na primeira delas é a garantia que Roger precisa ser mantido no cargo mesmo que enfrente momentos de turbulência, como foi o vivido após nossa eliminação na Libertadores.

Roger-160616
Foto: Flickr Grêmio Oficial

Numa segunda maneira, no fato de que por ser um jovem e promissor treinador, Roger pecará em alguns detalhes que só o tempo de carreira lhe dará cancha, como demorar para mudar algumas convicções que não são confirmadas dentro de campo. É um processo natural na carreira de qualquer profissional.

Acredito que essa investida corintiana também precisa ser refletida por nós torcedores. Há quanto tempo não tínhamos um técnico tão valorizado em nossa casamata? Claro que alguns medalhões passaram pelo comando técnico gremista, mas em nenhum momento tivemos tanta empatia com eles como a temos com Roger.

Além disso, o ponto mais importante é que vemos dentro de campo o trabalho do técnico. Claro que não somos perfeitos e precisamos arrumar sérios problemas – o mais latente o da bola área defensiva –, mas Roger, desde o ano passado, conseguiu fazer um Grêmio forte que lutou e lutará por títulos.

Que nós – dirigentes e torcedores – saibamos valorizar nosso atual comandante como um ótimo treinador, fato ratificado pela proposta corintiana.

*Originalmente publicado em Grêmio Libertador

Anúncios

Dez de quinze

Após a eliminação na Libertadores, o Grêmio deixou bem clara a importância das cinco primeiras rodadas do Brasileirão. Nas entrelinhas, elas serviriam para uma análise do trabalho de Roger.

Após os cinco jogos, estamos na segunda posição, com 10 pontos. Um resultado muito bom para quem começou a competição com várias dúvidas sobre o potencial da equipe. Além do mais, enfrentamos – com exceção do Coritiba – times fortes, o que solidifica nossa campanha. Sendo mais objetivo: somos candidatos ao título.

Roger 020616
Foto: Flickr Grêmio Oficial

Claro que o campeonato está no começo, mas tamanho equilíbrio e a falta de um time amplamente superior e favorito, faz com que o Grêmio seja um dos postulantes ao caneco. O que, analisando o campeonato do ano passado, a manutenção do elenco e o aprimoramento do trabalho de Roger, é justificável.

Essas cinco rodadas também trouxeram, ou renovaram, algumas certezas. A principal é que Luan deve jogar de 9. É ali que ele rende mais, além de o time parecer se adaptar melhor a uma equipe sem uma referência entre os zagueiros. Éverton precisa de mais chances, Edilson arrumou a lateral direita e o sistema defensivo precisa melhorar na bola área.

Depois do termômetro destas cinco rodadas, fica nítido que temos condições de brigar no topo da tabela se mantivermos este nível de atuação. Que ele seja mantido nas próximas cinco partidas.

*Originalmente publicado em Grêmio Libertador

A culpa é dos clubes

Do globoesporte.com:

O zagueiro Miranda fará exame de imagem em Los Angeles nesta quinta-feira, e pode ser o sétimo cortado da seleção brasileira antes da Copa América.

Dunga -> CBF -> Federações -> Clubes.

Enquanto os protagonistas do futebol nacional forem condizentes com má administrações, nada mudará no esporte bretão.

A CBF soube tirar proveito do egoísmo dos dirigentes de clubes e chegamos neste estágio em que o torcedor – que tem em sua paixão diária por seu time a essência do esporte – leva um 7×1 todo dia.