Campeão sem taça

Há anos a CBF resolveu entregar a taça do campeonato na festa dos melhores do Brasileirão – numa atitude inexplicável.

A festa, que ocorreu no domingo dentro de campo com a conquista do Fluminense, e depois no Rio de Janeiro com sua torcida, teve tudo. Menos o caneco.

Foto: Ricardo Nogueira

Ainda tentando fazer festa com a taça, o clube carioca solicitou à entidade o troféu para o jogo do próximo domingo, no Engenhão.

A notícia de hoje é esta:

O Fluminense bem que tentou, enviou ofício para a CBF, mas a entidade máxima do futebol brasileiro negou o pedido para que o clube pudesse levantar a taça neste domingo, no Engenhão, contra o Cruzeiro. A informação foi confirmada pela equipe carioca. Assim, apesar da festa com a torcida, o elenco só conseguirá erguer o troféu na premiação dos melhores do Brasileirão, no dia 3 de dezembro, em São Paulo.

Só a CBF para fazer uma coisa dessas…

 

 

Anúncios

A ética de Patrícia Amorim

A presidente do Flamengo, Patrícia Amorim, quis dar uma lição de moral no presidente do Fluminense, Peter Siemsen, por ele estar tendo uma postura pouco ética, digamos assim, no caso da possível ida do Thiago Neves para o tricolor.

Esquece ela que o Flamengo agiu de uma forma muito pior na contratação de R10 pelo clube carioca, quando o Grêmio também estava na disputa.

A ética, na visão de Patrícia e de outros tantos cartolas e políticos, parece só servir quando se está sendo prejudicado.

Vitória para seguir na luta

Se não vencesse o Goiás o Tricolor ficaria fora da briga por uma vaga na Libertadores. A vitória foi importante, mas esperava um pouco mais do Grêmio.

Jogando contra um time que luta para não cair, e praticamente em casa, devido a maioria de torcedores gremistas nas dependências do Serra Dourada, o Tricolor começou com tudo. Até gol anulado teve. Só que depois parece que deu uma certa preguiça, e o time não pressionou o Goiás. Foi dando espaço e o time goiano veio para cima, sem perigo, mas veio.

Eis que num contra ataque rápido, praticamente em três toques, o Grêmio chegou ao gol com André Lima – que fez uma grande partida, por sinal.

No segundo tempo, um velho defeito apareceu: o de não matar o jogo. O Grêmio criava e não marcava. O que fez com que o jogo ficasse tenso até os acréscimos, quando Diego Clementino fez o segundo gol.

Agora é vencer o Ceará no sábado e continuar na luta.

***

Fábio Rochemback voltou bem. Aliás, creio que se ele estivesse em campo contra o Fluminense a história do jogo seria outra. Fui um crítico ferrenho do jogador, mas devo admitir que atualmente ele é fundamental para o meio campo gremista.

***

Gabriel segue jogando muito. Tem que renovar já. Douglas fez uma partida discreta. Mas foi dele o passe para Clementino matar o jogo. Douglas é daqueles jogadores que num segundo pode fazer a diferença. E fez.

***

O clima está estranho entre Renato e a próxima direção gremista. Pelas últimas declarações de Portaluppi, creio que a renovação de seu contrato não será uma tarefa fácil.

Renato tem razão em dizer que “não é hora de falar certas coisas”. O Grêmio precisa de foco nessa reta final. Questões extra campo só atrapalham. Em 2008, a eleição para presidência do clube atrapalhou o time dentro das quatro linhas. Que isso não se repita.

*para canelada

Cadê o 5?

O Grêmio fez uma boa partida contra o líder Fluminense. E entendo a escalação de Souza no lugar de Ferdinando – Renato queria a vitória no Rio – porém, faltou um volante na frente da zaga. No primeiro gol, a falta de comunicação entre Vilson e Souza foi clara. Conca recebeu livre e, craque como é, não perdoou.

Já o gol que decretou a vitória do tricolor carioca veio numa entregada do zagueiro Vilson. Sim, ele é zagueiro. Não tem qualidade para ser o camisa 5 do Grêmio. Renato o coloca ali porque acredita que no plantel não há um volante com as características necessárias para ocupar a posição. Não tiro a razão dele. Mas creio que com Vilson e Ferdinando o Grêmio ficaria menos exposto no meio campo.

O Fluminense começou sufocando. Em seguida, quando o Grêmio começou a equilibrar o jogo, tomou o gol. Depois disso só deu o tricolor gaúcho na primeira etapa. Mas, faltou capricho na hora de finalizar.

No segundo tempo o Grêmio dominou. Mas, por que não chutaram a gol? Objetividade é bom de vez em quando. Era muito preciosismo. Evidente que o Fluminense estava bem fechado, mas coloca a bola na área, tenta o arremate de fora. Numa dessas a bola entra, poxa!

Aí veio a falha e Conca matou o jogo. Derrota que limita o Grêmio a disputa por uma vaga na Libertadores. Creio que é preciso mirar o G-3, pois acredito que um clube brasileiro conquistará a Sul-Americana.

***

Vilson, Souza, Lúcio e Douglas. Esse foi o meio campo gremista. Quem marca? Só Vilson. Como é zagueiro, peca um pouco no posicionamento na entrada da área. Souza e Lúcio só cercam, e Douglas…….

***

O pênalti em cima de Jonas foi claro. Tudo bem, a marcação da penalidade não garantia sua efetividade, porém, o jogo seria outro se o Grêmio chegasse ao empate.

***

Fala-se que Jonas e Renato devem ter prioridade na renovação de seus contratos pela nova direção. Antes dos dois, Gabriel deve ter uma atenção especial do presidente Odone. Além de estar jogando muito, o mercado de laterais direitos é escasso.

***

Mano convocou o Douglas do Corinthians ou do Grêmio?

*para canelada

0x2 Fluminense

Os dois gols do Flu se originaram numa faixa do campo onde a presença de um camisa 5 nato se faz necessária. Como não o temos…

É muito toquinho na frente. Não pode chutar a gol?

Por fim, o Grêmio nunca se deu bem com o Héber no apito.

 

Ousadia recompensada

Renato disse em entrevista coletiva após o confronto contra o Vasco, que a torcida do Grêmio está “mal acostumada”, referindo-se a expectativa de uma nova vitória fora de casa. Pode ser. Mas a impressão ao término da partida foi que o Tricolor poderia ter saído de campo com os três pontos. Evidente que pelas circunstâncias o empate foi de bom tamanho, mas para quem sonha em G-3, ele não foi lá um bom negócio.

O Grêmio começou bem a partida, porém, numa bobeada da zaga, o Vasco abriu o placar. O empate era questão de tempo, já que o Tricolor jogava bem. Não deu outra. Jonas, sempre ele, deu igualdade ao marcador. No final da primeira etapa, em mais uma falha de marcação da zaga gremista, o Vasco fez o 2×1.

No segundo tempo, o Grêmio foi para o ataque, enquanto o Vasco tentava ampliar o placar através de contra ataques. Em um deles, Felipe cava uma falta que dá origem a mais um gol vascaíno: 3×1. Pouco antes do terceiro gol, Renato trocou Ferdinando pro Diego. Substituição que foi fundamental para o empate gremista.

Em uma tabela entre Jonas e André Lima, que deu um passe espetacular para o artilheiro do campeonato, o Grêmio descontou. O Tricolor tentava, mas a derrota parecia eminente. Em uma última tentativa, Renato substituiu Lúcio por Edílson, deslocando Gabriel para o meio campo. Em uma tabela com Diego, que jogou praticamente como um ponta direita, Gabriel deu igualdade ao placar.  Provando que Renato tem estrela.

Portaluppi é ousado. Incontáveis vezes sua ousadia vem dando resultado. As próximas três partidas, contra Cruzeiro, Inter e Fluminense, definiram até onde o Grêmio pode chegar.

***

Como era esperado, Paulo Odone será o presidente do Grêmio no biênio 2011-2012. Na sua última passagem pelo cargo, Odone tirou o Grêmio da segunda divisão, foi vice campeão da Libertadores e Campeonato Brasileiro. Odone promete um Grêmio forte e que irá brigar por grandes títulos. Veremos!

*para canelada , tocoymevoy e arquibancadafc