Pelo direito de reclamar

A história se repete: cotovelo de um jogador deles lesiona um atleta nosso. Como no ano passado, a agressão passa ilesa e nem falta é marcada. Coincidência? A reação da torcida é óbvia: revolta por mais essa lesão que tira nosso melhor zagueiro da estreia na Libertadores.

Não nos resta outra atitude a não ser reclamar da FGF e por consequência dos apitadores do Ruralito. E olhem só outra coincidência: Leandro Vuaden era o árbitro no Grenal em que Mário Fernandes também se lesionou, em 2012.

Nas redes sociais e em programas esportivos, essa reclamação da torcida gremista é tratada de forma irônica e até mesmo provocativa, como se o torcedor não tivesse o direito de defender seu clube e apontar possíveis dados que comprovem uma atitude sistemática e prejudicial contra a instituição.

Mais do que isso, alguns profissionais – do alto de sua humildade e sabedoria – tratam seu público com desrespeito e não aceitam uma opinião contrária, afinal de contas, pobres ouvintes/leitores/seguidores que nada sabem.

Os gremistas – como qualquer torcedor – têm o direito de defender seu clube e querer pautar o debate na mídia é mais um fator a ser explorado em um momento em que as redes sociais agendam a pauta jornalística.

Nós podemos sim acreditar que essas coincidências servem ao outro clube da cidade. Quem me prova o contrário?

Anúncios

E agora, presidente?

Foi-se o primeiro semestre. De bom, só ficou a novidade Leandro e as constantes boas atuações de Rochemback. Nenhum gremista imaginava que 2011 seria assim. Porém, tudo começou a ficar estranho na tal da novela para trazer o Dentuço de volta.

Impressionante como a direção do Grêmio não se preparou para a disputa da Libertadores. Montou um plantel que não corresponde ao histórico de conquistas do time na competição, e o que é pior, depois da eliminação no Chile admitiu que errou.

foto: gremio.net

Para terminar o primeiro semestre ainda pior, a derrota ontem. Que mais uma vez se dá pela falta de qualidade do plantel montado por Odone e seus comandados. Odone que, assim como outros dirigentes gremistas, parece se importar mais com a Arena do que com o time dentro das quatro linhas. Todo o torcedor gremista trocava a Arena por títulos. O novo estádio pode sim alavancar o clube a outro patamar, com mais sócios e outras vantagens. Mas o melhor marketing que um clube pode apostar, e que com toda a certeza dá resultado, é colocar taças no armário.

Outra coisa sobre o Odone: até quando ele vai falar da Arena e da Batalha dos Aflitos em toda entrevista? A torcida não aguenta mais este discurso! Nosso presidente é muito político e adora um holofote. Está mais do que na hora de mostrar trabalho ou vamos entrar no Brasileirão para lutar pela Sul-Americana…

*para canelada

A melhor atuação do ano

O Grêmio jogou muita bola no clássico de ontem. Fez sua melhor atuação do ano e abriu boa vantagem para conquistar o título Gaúcho. Um belo presente para as Mães Tricolores. E, inevitavelmente, uma pergunta ficou no ar: se o mesmo time que jogou ontem, com exceção de Rochemback que estava machucado, tivesse jogado no Chile, a história teria sido outra?

Renato foi Renato ao escalar o time com dois volantes, dois meias e dois atacantes. A atuação foi praticamente perfeita e o Tricolor perdeu a chance de liquidar a fatura no segundo tempo, quando nosso adversário estava perdidinho da silva.

foto: gremio.net

Evidentemente que nossos dois atacantes foram os destaques do clássico, mas existe um jogador que há tempos é o melhor atleta tricolor: Fábio Rochemback. Depois de um começo irregular no Grêmio, e confesso que fui um dos que criticou muito o jogador, desde o segundo semestre do ano passado ele vem jogando muito. Hoje, ele é fundamental para o time.

A vitória de ontem teve os dois componentes que todo o time deve ter: qualidade e raça. Se no próximo domingo repetirmos a atuação de ontem, o ruralito será nosso.

*para canelada

Até tu, Renato?

Renato provou desde que assumiu o Grêmio que é um técnico ousado. Além de falar, ele fez coisas que colocaram a torcida em pânico em alguns momentos. No Brasileirão do ano passado, principalmente com vitórias fora de casa, ficou provado que Portaluppi tinha razão em colocar o Tricolor no ataque, sempre respaldado na tradição da camisa gremista que não importa se dentro ou fora de casa tem que pensar na vitória sempre.

Reconhecer que o adversário tem melhor time faz parte do jogo. Renato não poderia era ter feito o que fez: colocar o time na defesa desde o primeiro minuto de partida. Jogar com cautela e se resguardando é uma coisa, jogar totalmente atrás, principalmente num clássico, é tiro no pé.

foto: gremio.net

Evidente que Portaluppi errou, mas é meu dever como gremista bater na mesma tecla que é visível desde o mês de janeiro: a direção tem a maior parcela de culpa. Pelo simples fato de montar um plantel de baixa qualidade para um ano de Libertadores.

Vamos em pedaços ao Chile buscar a vaga. As lesões deixam quase um time de fora da partida mais importante do ano e não temos banco para reposição. Eu sei que são muitas lesões, mas a direção deveria ter reforçado o plantel. É repetitivo, mas é notório que a direção falhou.

O que era ruim depois de terça-feira, ficou pior na noite de ontem e mais um pouco hoje (com a lesão de Rochemback)…

Tá complicada a coisa.

Tiro curto
Por que o Fernando bateu aquela falta no final do jogo?

*para canelada

Semana para arrumar a casa

O meio de semana sem jogo dará um tempo para que o Grêmio se ajeite. Na próxima terça-feira o Tricolor faz o primeiro jogo pelas oitavas de final da Libertadores – sem falar na semifinal da Taça Farroupilha, no sábado, contra o Cruzeiro.

Muita coisa anda errada pelos lados do Olímpico. O setor direito da zaga parece a cada dia piorar. Victor anda falhando. Borges não consegue marcar. Renato substituindo mal…

foto: gremio.net

De positivo, a boa fase de Douglas, o qual se tornou fundamental para o bom rendimento do time, e o jovem Leandro, que a cada dia conquista ainda mais a vaga de titular da equipe.

É notório que as últimas atuações do Grêmio foram ruins, entretanto, esse grupo, e por consequência Renato, merece um pouco mais de paciência.

Essa semana de treinamentos é a mais importante do ano. Uma má atuação no primeiro jogo do mata-mata da Libertadores pode colocar o semestre fora. O Grêmio precisa arrumar a casa. Na terça, assim como no sábado, no Passo D’Areia, a torcida fará a sua parte.

Chegou a hora do Grêmio de 2011 lembrar aquele time com pegada e bom futebol do fim do ano passado. E a hora é agora.

*para canelada

Castigo?

A imprensa faz um alarde como se o Grêmio fosse parir uma bigorna porque jogará na Bolívia, na quinta-feira, e em Erechim, no domingo. O próprio Renato na entrevista coletiva após o jogo de ontem, disse que quem quer ser campeão tem que enfrentar essas coisas. Além disso, ele citou de forma clara que a culpa da viagem a Erechim é do próprio Grêmio que não conseguiu vencer o Santa Cruz e trazer o jogo das quartas de final para o Olímpico.

Aliás, Portaluppi é mestre nessas coisas. Ele nunca reclama de viagens, de suspensões e lesões que prejudicam a escalação do que o Tricolor tem de melhor. Renato sempre exalta a qualidade do grupo, mesmo que essa seja duvidosa, e motiva o plantel a buscar os resultados. Perfeito! Nada de choro na Azenha.

foto: gremio.net

As viagens podem desgastar o grupo e interferir no resultado dos jogos? Até podem, mas a direção, que sempre se empenha em dar plenas condições para que o plantel não se desgaste muito, faz a sua a parte e espera que os jogadores façam a sua.

Sobre o jogo de ontem, uma falha da zaga – novamente em bola parada – quase levou o time a derrota. Sem falar nos inúmeros gols perdidos. Mas o Grêmio fez um bom jogo.

Tiro curto
André Lima está fazendo falta.

 

*para canelada

Oscilando

Mais uma vez o Tricolor não jogou bem. Depois de um primeiro tempo sofrível, na segunda etapa o Grêmio voltou mais disposto e fez o resultado.

O time não consegue manter uma boa atuação durante os 90 minutos. Contra o Pelotas, o Grêmio alternou bons e maus momentos. Talvez aquela sensação de que “a qualquer hora ganhamos” tenha prejudicado o time no primeiro tempo. Fato é que na etapa final, com a entrada de Leandro que deu mais movimentação ao ataque, o Tricolor melhorou e mereceu a vitória.

***

Rochemback é importante na saída de bola da defesa. É nítida a dificuldade do time sair de trás com qualidade quando o camisa 5 não está em campo.

foto: gremio.net

A posição de segundo atacante vai ser preenchida por Leandro. Escudero, que saiu no intervalo machucado, teve boa atuação no primeiro tempo, mas creio que Renato vai apostar no guri. Borges precisa se movimentar um pouco mais, se ficar entregue à marcação dos zagueiros vai acabar no banco.

***

A lesão de Carlos Alberto trouxe equilíbrio ao time. Sem inventar, Portaluppi repete o esquema que utilizou ano passado, com dois volantes, Lúcio e Douglas no meio campo. Resta saber o que Renato fará quando o meio-campista estiver recuperado.

*para canelada