Bolsonaro ou a navalha?

8h40min. Barbearia. O assunto era política. Falava que estamos carentes de uma referência. Citei apenas o nome de Brizola para exemplificar. Sou interrompido por um homem de meia idade.

– Tu está esquecendo de um nome.

Já imaginando a resposta, pergunto quem.

– Bolsonaro!

Um senhor ao lado do homem comemora:

– Também tem meu voto!

Para salvaguardar meu dia, me calei.

Anúncios

Renan não é o único culpado

Tento ser otimista. Juro que tento. Mas tem horas que não é nada fácil.

O Brasil de fato está avançando e muita coisa boa está acontecendo.

Mas como continuar acreditando no progresso quando Renan Calheiros é eleito presidente do Senado?

Foto: Marcos Oliveira / Agência Senado

Foto: Marcos Oliveira / Agência Senado

Pior do que isso são aqueles que reclamam unicamente dos senadores que votaram em Renan.

Claro que eles têm sua parcela de culpa por levar ao cargo mais alto da Casa alguém como Renan – cujo o passado é mais sujo do que pau de galinheiro.

Contudo, não esqueçam que Renan – e os senadores que votaram nele – só estão lá por vontade nossa. Pelo nosso voto.

Todos somos culpados.

Vereadores não terão aumento na próxima legislatura. Milagre?

A política nacional está tão desacreditada, que a notícia de que os vereadores de Porto Alegre não aumentaram seus salários, assim como os dos secretários, do vice-prefeito e do prefeito da cidade para a próxima legislatura, soou como um milagre para algumas pessoas.

Os parlamentares recebem atualmente R$ 10.335,72 por mês, mesmo valor que recebem o vice-prefeito e os secretários municipais. O salário do prefeito é de R$ 15.503,58 e o do presidente da Câmara é de R$ 12.919,65.

Foto: Mariana Fontoura

Ou seja, com esse soldo é possível viver com certa tranquilidade na capital gaúcha.

Porém, não esqueçamos que estamos em ano eleitoral, e que tal decisão talvez tenha vínculo com a eleição de outubro, a qual vários membros da Câmara e inclusive o prefeito, tentam se reeleger.

Nada como um ano eleitoral

O ano eleitoral muda o cenário da sociedade brasileira.

Políticos que vão concorrer começam a agir de maneira muito estranha, por assim dizer.

Quem está no poder quer mostrar trabalho – vale até inaugurar uma quadra de ciclovia para mostrar serviço (?).

Tem gente que vai ver o jogo de arquibancada para ‘torcer’ com o seu eleitorado – sendo que o tal político só frequenta as sociais.

A oposição só sabe criticar.

Com o crescimento das redes sociais, perfis de candidatos começam a sair em busca de seguidores e amigos para terem a simpatia dos mesmos na web.

Pobre eleitor.

Estamos a recém em maio, o pior ainda nem começou.

Que tal mais 62% de trabalho?

Nesta semana nossos ilustres representantes em Brasília aprovaram o projeto que eleva para R$ 26,7 mil o salário dos parlamentares, do presidente, do vice e dos ministros de Estado. Um aumento de incríveis 62%.

Talvez o problema nem more no aumento, e sim no que eles não fazem para receber os merecidos (?) rendimentos mensais.

Bom seria se junto com a aprovação do projeto, o povo brasileiro ganhasse mais 62% de escolas, hospitais, empregos, e por aí vai. Inúmeros são os problemas vividos pelo trabalhador – que em média vive com dois salários mínimos – que precisam ser solucionados.

Gostaria que junto com a bolada mensal também viesse mais 62% de comprometimento em fazer do Brasil um país melhor. Sem falar em uns 200% mais de vergonha na cara.

Ser político no Brasil virou uma profissão de luxo. É aquela coisa: primeiro o meu interesse, depois o do povo.

A lei oportunista

Políticos deixam em larga escala seus cargos e mandatos para concorrer nas eleições de outubro. Quem antes atacava quem deixava o posto, hoje vira alvo. É aqui no Sul, em São Paulo, em todo o Brasil. A roda gigante não para.

Porém, se existe um vilão nessa história toda, é a lei. Ela que permite que os mandatos fiquem pela metade.

Portanto, antes de dizer que o político A não honrou com a palavra, e que o B e  C fizeram a mesma coisa, saiba que a lei deixa que isso aconteça.

Eles só estão utilizando-a de maneira oportunista, é claro.

Vote Pablo !?

Durante o programa Gaúcha Hoje desta quinta-feira, Paulo Sant’Ana declarou que recebeu dois convites para se candidatar ao senado na eleição do ano que vem.

Os convites partiram do PTB e PMDB. Pablo, indagado sobre o que tinha decidido, disse que se decidirá apenas um dia antes do prazo para homologar sua candidatura junto ao Tribunal Regional Eleitora (TRE-RS).

Já imaginaram o Sant’Ana no senado?